Cidades com um toque moderno

Em 2015, o conceito arrojado de uma torre curvilínea na 252 East 57th Street de Nova York foi apresentado ao público na conferência Glass Performance Days. Naquela época, a construção desse tipo de edifício estava apenas começando e ninguém tinha certeza de que uma ideia tão inovadora pudesse ser concretizada. Mas foi − e se tornou uma grande história de sucesso, um ícone da beleza. Aqui está a história por trás deste sinuoso prédio.

Nos últimos anos, aumentou a demanda por vidro curvo, à medida que designers e arquitetos especificam com mais frequência o vidro personalizado na realização de suas ideias inovadoras. Isso não é uma surpresa. Pela primeira vez na história da arquitetura, os designers sabem que podem levar à realidade alguns de seus sonhos mais “retorcidos”.

O vidro dobrado faz com que qualquer arquitetura seja extraordinária. Isso é ainda mais intenso quando se trata de arranha-céus. Os prédios altos de vidro curvo refletem todas as gemas móveis e brilhantes do céu, das nuvens e das cidades sob o sol.

Curved glass Aalto 57, 252 East 57th Street

Aalto 57, 252 East 57th Street, Image: Paul Öhrnberg

Brilho nos olhos

Ao andar pelas ruas da Nova York moderna, é impossível ignorar os edifícios de vidro dobrados. Recentemente, a proeminente estrutura curvilínea se uniu a essa relação no extremo leste da “fileira dos bilionários” de Manhattan – um trecho da 57th Street conhecida por seus caros arranha-céus residenciais.

A nova torre na 252 East 57th Street, projetada por Roger Duffy da Skidmore, Owings & Merrill, foi inaugurada em 2016, mas já é um grande sucesso. Em uma rua onde a maioria dos prédios de apartamentos tem mais de 300 metros de altura, a construção de 65 andares de Duffy pode parecer relativamente baixo, com uma altura de “apenas” 217 metros. No entanto, não deve nada nos seus recursos – e preços – surpreendentes.

Janelas curvas, determinante na precificação

Em termos de preços, o valor do aluguel de um apartamento de dois quartos é de cerca de US$ 7.500 (6.100 euros) por mês. Comprar uma cobertura custa US$ 37 milhões. No entanto, 80% do edifício já foi vendido ou arrendado.

Um dos fatores que permite aos proprietários estipular um preço tão alto são as formidáveis janelas curvas – ideais para obter umas vistas espetaculares da cidade. O pequeno arranha-céu tem vista para o East River e para o Central Park. As janelas elegantemente curvadas, que vão desde o chão até o teto, proporcionam uns ângulos de visão de tirar o fôlego e rapidamente se tornaram o reclamo mais forte do edifício.

Curved glass Aalto 57, 252 E 57 Street Interior

Aalto 57, 252 E 57 Street, interior. Image: Paul Öhrnberg

Inspiração no arquiteto finlandês Alvar Aalto

Uma parte inferior da torre – com 169 unidades de aluguel – foi apelidada de Aalto57. Trata-se de uma homenagem ao famoso arquiteto finlandês Alvar Aalto. Roger Duffy se inspirou nas curvas suaves do icônico Aalto Vase, um grande copo de vidro transparente que o arquiteto fez em 1937 para o restaurante Savoy, em Helsinque.

Desafio para domar estruturas cheias de curvas

A Skidmore, Owings & Merrill está no centro do design internacional de arranha-céus. A empresa projetou alguns dos edifícios mais altos do mundo. Entre eles está o Burj Khalifa, nos Emirados Árabes Unidos, o prédio mais alto do mundo (830 m) e principal obra da companhia.

Mesmo que o edifício Aalto não alcance tal altura, ainda assim era um projeto único e altamente desafiador para Roger Duffy. Como ele mesmo descreve, a maior parte do desafio estava em domar as curvas indisciplinadas que tornam este edifício diferente de outros arranha-céus.

Roger Duffy, SOM Arcitects

Roger Duffy, SOM Arcitects. Image: Paul Öhrnberg

Nova tecnologia para a curvatura eficiente do vidro

O Aalto Vase foi feito de vidro uniformemente soprado e formado, mas a fachada de um edifício é composta de milhares de pedaços de vidro de duas camadas com uma camada isolante no meio. Integrar essas camadas em vidro dobrado, mantendo a qualidade perfeita do vidro, é o que dificulta a curvatura.

Felizmente, contamos com as habilidades avançadas para dobrar o vidro. Recentemente, soluções eficientes e econômicas foram introduzidas para lidar com o que costumava ser caro e difícil. Isso desencadeou o uso de vidro dobrado em prédios altos.

No caso da 252 East 57th Street, uma empresa italiana de fabricação de vidro usou a mais recente tecnologia de produção de vidro da Glaston para realizar o design inspirado no estilo finlandês de Roger Duffy.

Novas formas e ideias

O vidro dobrado personalizado oferece aos arquitetos uma variedade de novas opções de design e possíveis aplicações. Seu uso ainda é raro em comparação com o uso do vidro plano padrão. Mas isso se tornará cada vez mais comum à medida que as tecnologias avançam, multiplicando as possibilidades de projeto e reduzindo o custo da curvatura.

Em exteriores e interiores (fachadas, escadas em espiral, claraboias, elevadores, pontes, paredes de cortina e centenas de outros usos), o futuro do vidro é claramente sinuoso.

Leia mais sobre vidro dobrado no design:

  1. Curvatura e têmpera do vidro – os pensamentos planos estão com os dias contados em um mundo com curvas!
  2. Uso do vidro dobrado a quente. Caso: 252 East 57th Street, New York
  3. Vidro curvo: um obstáculo ou oportunidade para a arquitetura em vidro?

Quer saber mais?

Inscreva-se no boletim informativo da Glastory

Compartilhar esta história

Sobre o autor

Juha Karisola

Over 20 years of experience in finding solutions for glass processors in automotive, architectural and appliance sectors. Main expertise in tempering and in glass bending applications. Currently heading Glaston's Business Unit for laminating, bending & tempering technologies.