O que significa 1 milhão de cargas?

Colocar a digitalização em prática na indústria de processamento de vidro levou algum tempo. Mas agora o ímpeto aumentou e o número de usuários está crescendo rapidamente. Por que isso?

Pioneiros como a Glaston ajudaram a alimentar a demanda por uma maior digitalização, educando os clientes sobre os benefícios, demonstrando um progresso real ao longo de seu roteiro de estratégia digital e adicionando mais clientes e seus dados à nuvem para acelerar todo o movimento.

Passamos a maior parte de 2018 edificando nossa confiança a partir da implementação de ideias e coleta de dados para oferecer os benefícios da digitalização que outras indústrias estão começando a desfrutar para a indústria de processamento de vidro. Agora, podemos olhar para trás e ver nosso progresso. Na verdade, estamos ainda mais longe do que previmos inicialmente. Nossos relatórios on-line melhoraram e estamos realmente orgulhosos de apresentá-los aos clientes e a todo o setor. Nosso trabalho levou a uma grande quantidade de informações que agora oferecem valor.

Alcançando os primeiros resultados

Até o final de 2018 e de acordo com o planejado, a Glaston alcançou com sucesso vários de seus grandes resultados: mais de 100 linhas de têmpera e laminação já estão conectadas à nuvem e os dados de 1 milhão de cargas já foram registrados.

Cada vez mais processadores de vidro estão se unindo ao movimento de digitalização porque eles entendem as vantagens. No momento, 38 países estão representados, com o maior número de processadores localizados nos EUA e Europa, seguidos pela Ásia-Pacífico.

Glaston Insight

Mas, na prática, o que esses números significam?

Esses processadores entendem que, conectando suas informações, eles podem aprender e melhorar seus processos operacionais. Eles sabem que podem confiar totalmente nos dados, para que todos usufruam dos benefícios. Para eles, quanto mais conectados à nuvem, mais podem aprender sobre como manusear seus equipamentos de forma mais inteligente, encontrando maneiras de aumentar a produtividade e descobrindo como melhorar sua qualidade. Em suma, tomar melhores decisões de negócios que resultem em maior lucratividade.

Para os fornecedores de máquinas, como a Glaston, as informações coletadas ajudam a oferecer novos serviços baseados em análise de dados.

Podemos ver, por exemplo, como as máquinas são usadas, como várias espessuras de vidro são temperadas e laminadas e aprender mais sobre os tipos de vidro que estão sendo executados e seus parâmetros. Isso ajuda a melhorar a própria oferta de serviços aos clientes a alcançar capacidades mais altas e melhor qualidade.

Progresso real com a IA

Outro desenvolvimento ao longo de nosso roteiro de digitalização é levar a inteligência artificial (IA) ao próximo nível, o que significa permitir que as máquinas de têmpera e laminação se tornem totalmente autônomas. A Glaston está trabalhando intensivamente para adicionar aprendizado de máquina e visão à sua tecnologia.

Como parte disso, implementamos a realidade aumentada (RA) e a realidade virtual (RV) para ajudar nossos funcionários e clientes com tarefas de formação e manutenção. Nosso novo conceito de Sala de Suporte usando a RA foi apresentado pela primeira vez na Glasstec no outono passado e com a vinda da GPD Finland neste verão estamos satisfeitos em poder mostrar mais!

Support room Virtual Reality

Há muita empolgação em torno de todo esse movimento, uma vez que os clientes podem ver os benefícios reais da IA e também como outras tecnologias de digitalização podem ajudá-los a alcançar seus próprios objetivos de negócios. Eles podem usar essas tecnologias para um melhor acompanhamento da produção, para atingir maiores capacidades e aprender maneiras de melhorar a qualidade de seus vidros com mais inteligência.

Para os operadores, a digitalização também tornará seus trabalhos mais fáceis e menos estressantes. Ainda assim, mesmo com máquinas totalmente autônomas, sempre precisaremos de seres humanos para cuidar das máquinas, desenvolver os processos e explorar novos tipos de vidros para os mercados correspondentes. A operação sem humanos ainda vai demorar muitos anos para chegar, se é que algum dia chegará. Precisamos que as pessoas façam as perguntas e tracem parcerias com a IA para criar o mundo que gostaríamos de imaginar.

Quer saber mais?

Inscreva-se no boletim informativo da Glastory

Compartilhar esta história

Sobre o autor

Kai Knuutila

Digitalization Manager at Glaston