O vidro pode ajudar a conter as mudanças climáticas?

No dia 8 de outubro, o Painel Intergovernamental sobre Mudanças Climáticas publicou seu Relatório Especial sobre o Aquecimento Global. De acordo com o relatório, limitar o aquecimento global exigiria transições “rápidas e de longo alcance” em terra, energia, indústria, edifícios, transportes e cidades. Desde a publicação do relatório no início desta semana, a discussão tem estado ativa, estabelecendo diferentes caminhos para resolver os tópicos relacionados com as mudanças climáticas e debatendo quais setores devem contribuir mais. A resposta é clara: todos os setores devem contribuir. No entanto, alguns setores consomem mais energia e omitem mais CO2 do que outros.

Você sabia que os setores da construção civil respondem por 36% do consumo global de energia final e por quase 40% das emissões diretas e indiretas de CO2 associadas à energia? Isso é mais do que qualquer outro setor. Impulsionada pela urbanização e industrialização, melhor acesso à energia para aquecimento, refrigeração e iluminação, especialmente nos países em desenvolvimento, a demanda de energia da construção civil continua aumentando.

Janelas de vidro: parte do problema, mas também uma solução

Estima-se que as janelas de vidro sejam responsáveis por quase 25% das necessidades de aquecimento na União Europeia e por quase 10% das necessidades de refrigeração. Ao analisar friamente os números, nossa tendência é dizer que o vidro é uma grande parte do problema. No entanto, dadas as novas tecnologias de vidro inteligentes que estão sendo desenvolvidas, o vidro tem um potencial muito maior como solução para os problemas de eficiência energética e aquecimento global que enfrentamos atualmente.

As tecnologias emergentes de vidro e produtos de vidro que agregam valor, como o vidro inteligente, estão entrando no mercado com força. O vidro inteligente tem a capacidade de controlar a quantidade de calor e luz que passa pela janela e, dessa maneira, reduzir significativamente o consumo de energia. No entanto, a questão não é apenas sobre como as janelas mantêm o calor interno ou externo. O vidro inteligente pode converter a luz do sol em energia. Não é preciso dizer que edifícios parcial ou completamente autossuficientes em termos de energia desempenhariam um papel poderoso na melhoria da eficiência energética do setor. Como resultado, o potencial do vidro inteligente é enorme e espera-se que o mercado de vidro tenha um crescimento de dois dígitos nos próximos anos.

As tecnologias emergentes aceleram as tecnologias do vidro inteligente

O vidro inteligente não é a única nova aplicação dentro da indústria do vidro que está sendo desenvolvida como uma resposta aos problemas atuais de consumo de energia e eficiência. Como líder tecnológica na indústria de processamento de vidro, o objetivo da Glaston é ser a desenvolvedora e aceleradora do setor de tecnologias emergentes. Ao fazer isso, a empresa combina os objetivos comerciais com as necessidades sociais. No início de 2017, foi criada a unidade de Tecnologias Emergentes da Glaston. Ela fornece serviços de consultoria e engenharia para a produção de vidros inteligentes e vidros de energia, bem como aplicações de energia solar. A unidade também vende e fornece as linhas de produção necessárias. As áreas potenciais são soluções de energia solar, vidro inteligente e vários produtos da indústria automotiva e de aviação.

Atualmente, a Glaston está envolvida em conversas com várias empresas sobre o desenvolvimento e aplicação prática de novas tecnologias de vidro. Normalmente, são empresas pioneiras em seus próprios campos, que operam no mercado global. Através de seu conhecimento tecnológico e extensa rede de contatos, a Glaston alcançou, em pouco tempo, o status de parceira proativa e confiável para empresas que desenvolvem e comercializam criações com vidros inteligentes.

Quer saber mais?

Inscreva-se no boletim informativo da Glastory

Compartilhar esta história

Sobre o autor

Joséphine Mickwitz

VP, IR, Communications and Marketing, Glaston Corporation